O secretário-geral e de Relações Internacionais da CNM/CUT, João Cayres foi um dos intermediadores do debate Divulgação Dirigentes da CNM/CUT e CNQ debatem a estratégia de organização das redes sindicais em multinacionais Começou na segunda-feira 3/9, …

Walton Pantland

O secretário-geral e de Relações Internacionais da CNM/CUT, João Cayres foi um dos intermediadores do debate

Divulgação

Dirigentes da CNM/CUT e CNQ debatem a estratégia de organização das redes sindicais em multinacionais
Começou na segunda-feira 3/9, o Seminário de “Redes Sindicais e Diálogo Social nas Multinacionais Químicas: Internacionalizar e Ampliar Direitos”, organizado pela IndustriAll e pela fundação alemã FES, com o apoio da CNQ-CUT, no EZ Hotel, em São Paulo. O encontro teve  participação de mais de 50 trabalhadores e trabalhadoras, sindicalistas e representantes do Brasil, México, Argentina, Chile e Peru, representando as redes das empresas multinacionais Basf, Bayer, Lanxess, St. Gobain, Akzo-Nobel e Solvay.

O objetivo do encontro é identificar o atual estágio de organização das redes sindicais e de seus trabalhadores na América do Sul e Europa, debater a estratégia de internacionalização destas redes, tendo em vista a integração da América do Sul e a situação dos Conselhos de Empresas Europeus, trocar experiências e planejar o futuro das redes sindicais e elaborar propostas para ampliar a participação de mulheres e jovens nas redes.

O Seminário, que dá sequência a uma conferência realizada em 2009, está programado para ir até quarta-feira e tem uma programação recheada de atividades que visam ampliar a formação dos dirigentes sindicais e fortalecer a organização das redes em escala global.

Após um almoço de confraternização, aconteceu a abertura do seminário, com apresentação dos objetivos, participantes e da programação. A mesa de abertura, coordenada por Sérgio Novais (CNQ e IndustriAll), contou com a presença de Kemal Ozkan, secretário geral adjunto da IndustriAll, Tina Hennecken, Vice-diretora da Fundação Friederich Ebert no Brasil e Lucineide Dantas Varjão, Coordenadora Geral da CNQ.

Lucineide destacou a importância de abrir espaço para que a juventude e as mulheres possam contribuir com as redes e a importância do encontro no sentido de fortalecer tais aberturas. “Esta atividade é um marco crucial na luta pela globalização dos direitos trabalhistas”. Kemal Ozkan reforçou tal visão: “Estamos juntos contra o trabalho precário que é a maior ameaça ao movimento sindical no mundo. Queremos organizar, organizar e organizar: melhorar a democracia com direitos para todos e que as mulheres ocupem o lugar na vida laboral, societal e sindical que elas merecem”.

Já Hennecken enfatizou que a FES está “feliz com o encontro pois a consolidação das redes é uma estratégia decisiva para dar uma voz forte aos trabalhadores e trabalhadoras nos enfrentamento de práticas anti-sindicais nas empresas e reivindicar melhores condições de trabalho com o diálogo social”.

Na sequência houve o debate “Estratégia de organização das redes sindicais em multinacionais”, no qual Fábio Lins, da secretaria de relações internacionais da CNQ, deu a contribuição da experiência da CNQ na construção de redes de trabalhadores, junto com Kemal Ozkan, que falou sobre as estratégias da IndustriAll para fortalecer as redes sindicais pelo mnundo. João Evangelista, da Confederação Nacional dos Metalúrgicos, trouxe a experiência da montagem e funcionamento da Rede ZF para o encontro.

Divulgação

Seminário de internacionalização de redes sindicais do Ramo Químico começou em São Paulo

Lins ressaltou que no Brasil,  “a estrutura sindical nos fragmenta e divide, um sindicato é criado por dia. Então as redes fomentam um processo de unidade, é uma ação decisiva para a transformação da sociedade”. Para ele, as redes são uma evolução no sentido de um movimento sindical mais dinâmico: “Temos que praticar a ação sindical e não somente a reação sindical”, provocou Fábio.

Após o debate, os participantes começaram a montar a “Feira de Redes”, onde os representantes e coordenadores de cada Rede mostrarão seus materiais, documentos e contarão um pouco de sua história, além de aprender com a experiência dos outros. Para finalizar o dia, um jantar de confraternização e a preparação para o segundo dia de atividades.


This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial License.
Author avatar

Walton Pantland

South African trade unionist living in Glasgow. Loves whisky, wine, running and the great outdoors. Walton did an MA in Industrial Relations at Ruskin, Oxford, and is interested in how trade unions use new technology to organise.

Read All Articles